Um peixe muito particular

E aqui estamos nĂłs, finalmente no reino dele: a ponte. Ele continua a dizer-me que gosta do fato de estar suspenso no ar, mais perto do cĂ©u, mais alto do que as ruas movimentadas, e mesmo acima da água. E depois diz-me tambĂ©m que a água Ă© o bem mais precioso do mundo. E porContinue reading “Um peixe muito particular”

Tudo culpa da gravidade

Inexplicavelmente, talvez devido a algum erro tĂ©cnico durante a viagem, ele tinha chegado a um destino errado. E pensar que lhe tinham recomendado: “NĂŁo se esqueça, quando passar perto da Terra, nĂŁo abrande, nĂŁo se demore, mas acelere”. Tinham-lhe entĂŁo dado toda uma longa explicação sobre uma força. Como Ă© que se chamava? Força grave?Continue reading “Tudo culpa da gravidade”

Uma coincidĂŞncia chamada destino

Pobre Massimiliano. Olha como tenta lutar contra o tempo para chegar a horas. Mas o que Ă© que está a fazer? Ele vai vestir a camiseta do avesso! Pobre Massimiliano, ainda nĂŁo sabe que nunca chegará a ver aquele filme. Mas ele tenta. Agora, aqui está ele a correr para a garagem esquecendo-se do seuContinue reading “Uma coincidĂŞncia chamada destino”

Um passeio de táxi

Mais um passeio de táxi. Dois passageiros entram e os outros saem. Piazza dei Cinquecento, lugar de esperas e partidas, chegadas e atrasos, em frente Ă  estação Termini em Roma. Cappuccino no cafĂ© Trombetta e um cannolo do bar ao lado, com iguarias sicilianas. Depois peguei no meu táxi e juntei-me Ă  fila. Na fila,Continue reading “Um passeio de táxi”

A encruzilhada das emoções

Um cruzamento de estradas. Algumas pareciam verdadeiros desvios: grandes, asfaltadas, imponentes; outras, porĂ©m, becos estreitos e sinuosos, com pequenas curvas e grandes buracos; outras mostraram, entre um paralelepĂ­pedo e outro, bonitos tufos de grama e algumas flores coloridas.  E esta Ă© a descrição de apenas um lado da encruzilhada: se eu vos falasse das intermináveisContinue reading “A encruzilhada das emoções”

Domingo de manhĂŁ

– Está tudo bem? – – Sim, sim, obrigado. – – Bom, nĂŁo parece ser assim, deixa-me ver. Posso? – Delicatamente toca com o dedo indicador na bochecha do rapaz, e apanha uma lágrima que corria por todo o lado direito do seu nariz. Ele olha para o seu dedo indicador e, primeiro, com umContinue reading “Domingo de manhĂŁ”

Super G

Tudo estava limpo e arrumado. As lousas lavadas e secadas, para serem reescritas com o habitual Bom dia a todos, sejam o presente mais lindo do mundo! O termos quente em cima da cadeira na sala dos professores, o aquecimento ligado há cerca de uma hora, e alguns jornais, ao lado do seu sempre presenteContinue reading “Super G”

Naqueles cinco minutos

6 da manhĂŁ. Lucia coloca a chave na fechadura da porta da frente. Ela prende a respiração, acreditando que desta forma será capaz de fazer menos barulho. Roda a chave na fechadura uma primeira vez. Luca, o seu filho, está a dormir profundamente no seu quarto, perto do corredor que conduz Ă  cozinha. Paolo, umContinue reading “Naqueles cinco minutos”

A noite anterior

É o grande dilema para nĂłs, jovens. Partir ou ficar. Viajar ou permanecer. Ela disse a si mesma, se nĂŁo agora, quando? Estava certo fazer as prĂłprias experiĂŞncias, tomar decisões individuais, fazer um pouco de guerra e paz consigo mesma. Tinha de conhecer-se atĂ© ao fundo, aprender a amar-se e entĂŁo seria uma grande experiĂŞncia,Continue reading “A noite anterior”

A mĂ­tica florista de Mulberry

Era um sábado cinzento e melancĂłlico em Londres, e uma espĂ©cie de mal-estar pareciaagarrar a Bond Street desde a primeira luz fraca da manhĂŁ. Havia, contudo, um lugar, oumelhor, uma loja, onde os cheiros e ruĂ­dos tĂ­picos da cidade barulhenta nĂŁo eramautorizados a entrar: um pequeno paraĂ­so na terra inteiramente hospedado por um conjuntode aromas,Continue reading “A mĂ­tica florista de Mulberry”